IMPOSTÓMETRO

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Brasil pode fornecer à Rússia elementos do sistema de defesa Pantsir

Brasil pode fornecer à Rússia elementos do sistema de defesa Pantsir


O Brasil pode começar a construir elementos para o complexo de defesa aérea Pantsir-S1. A informação é do vice-chefe da empresa estatal russa de construção de armas do setor de defesa, Yury Savenkov. Atualmente, estão sendo acertados detalhes do contrato.

Segundo ele, os representantes da companhia estão participando de negociações sobre o fornecimento dos sistemas Pantsir, discutindo as características do complexo, organização de reparo, a criação de um centro técnico no Brasil, bem como um plano para a implementação do programa de compensação.

Em outubro de 2013, o ministro da defesa da Rússia, Sergei Shoigu, declarou que as negociações com o Brasil sobre a possível compra dos sistemas Pantsir estavam em fase final.

Em agosto de 2014, o chefe da empresa estatal de exportação de armas da Rússia Rosoboronexport, Anatoly Isaikin, havia informado sobre os planos de assinar o contrato até o final do ano sobre o fornecimento de três baterias do complexo Pantsir. Também foi relatado que a Rússia ofereceria cooperação tecnológica ao Brasil.
 
Fonte: assuntosmilitares.jor.br/

Ministro Jaques Wagner visita instalações do Programa de Desenvolvimento de Submarinos em Itaguaí (RJ)

Itaguaí (RJ), 24/02/2015 – O ministro da Defesa, Jaques Wagner, e o comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira, visitaram nesta terça-feira (24) o Estaleiro e Base Naval (EBN) de Itaguaí, 73 km ao sul do Rio de Janeiro. Em sua primeira vez no complexo industrial da Força Naval, Wagner conheceu de perto o andamento do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (Prosub). A iniciativa, desenvolvida em parceria com a França, possibilitará a construção do primeiro submarino de propulsão nuclear brasileiro, gerando empregos de alta qualificação e dotando o país de tecnologia de ponta.

Durante a visita, o coordenador-geral do Prosub, almirante Max Roffé Hirschfeld, atualizou o ministro Wagner sobre o andamento e as próximas etapas do projeto. O almirante explicou que, além de assegurar a soberania nacional e a proteção de nossas águas jurisdicionais, o Prosub estimulará a tecnologia nacional de forma determinante.

Jaques Wagner se disse “profundamente orgulhoso” com a evolução do projeto: “Como ministro da Defesa e como brasileiro, estar visitando essa instalação que aponta para o futuro do Brasil, seja no domínio da tecnologia de construção, seja naquilo que vai ser embarcado em um dos submarinos que é a propulsão nuclear, é para mim uma grande alegria”, destacou.

Para Wagner, a importância do Prosub transcende a área militar e a Marinha, tal como o preconizado pela Estratégia Nacional de Defesa. “O que estamos aprendendo aqui com a parceria francesa irá transbordar para muitas indústrias civis. Estamos com um índice de nacionalização bastante significativo, portanto são muitas empresas nacionais que estamos estimulando e até descobrindo, e é uma mão de obra que está se qualificando, da mais simples a mais especializada”, afirmou.

Segundo Hirschfeld, 243 brasileiros já estiveram na França participando do treinamento que viabilizará a transferência de tecnologia para o Brasil. Em função disso, os cinco submarinos previstos pelo Prosub - quatro convencionais e o de propulsão nuclear - serão todos projetados e montados em território nacional.
 
O almirante detalhou o funcionamento do contrato com os franceses e ressaltou os reflexos da empreitada no estímulo à indústria nacional. Segundo Hirschfeld, apenas na construção da Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (UFEM) e do EBN, mais de 600 empresas nacionais estiveram envolvidas.

O ministro também conheceu algumas das unidades que compõem o empreendimento, como o galpão da Nuclep (A Nuclebrás Equipamentos Pesados S/A), unidade responsável pelo casco do submarino, e a oficina principal da UFEM, onde será feita a montagem de seções do submarino como anteparas, conveses, tanques, fixadores e peças de penetração no casco.

Na UFEM, o ministro da Defesa e o comandante da Marinha entraram na estrutura metálica já pronta do que será futuramente o primeiro submarino convencional do Prosub, previsto para ser entregue em 2018.

Integraram a comitiva do ministro Jaques Wagner o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA), general José Carlos De Nardi, e a secretária-geral do Ministério da Defesa, Eva Chiavon.

Ministério da Defesa

Por Marina Mello
Foto: Felipe Barra

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Senador quer Plebiscito para instituir prisão perpétua no Brasil


Magno Malta quer plebiscito para
instituir prisão perpétua no Brasil

Segundo o senador Magno Malta (PR/ES) “no Brasil a lei não é severa e justa. A pena no País não pode ultrapassar o teto de 30 anos, em caso de doenças e idade avançada. Um criminoso que assalta e assassina várias pessoas, pode ser condenado até mais de 200 anos em regime fechado, mas só vai cumprir até 30 anos de reclusão e com tantos benefícios do Código Penal em favor do preso, como regime semi aberto para estudar ou trabalhar e com apenas 1/3 da pena cumprida, já pode gozar de liberdade total. É uma falácia. Por isso, na próxima terça-feira, vou entregar na Comissão de Constituição e Justiça – CCJ – do Senado, requerimento solicitando plebiscito no Brasil este ano, para instalação de uma mini-constituinte ou constituinte exclusiva com objetivo de ouvir a população para decidir se quer ou não prisão perpétua para narcotraficantes, pedófilos e corruptos. E quero também que sequestro relâmpago e assaltos na porta de bancos conhecidos como “saidinhas”, sejam classificados como crimes hediondos. Prisão perpétua no Brasil já. Precisamos de leis severas para diminuir a impunidade que vai refletir diretamente na crescente violência urbana”, informou Magno, em entrevista exclusiva ao jornal A Tribuna.

As recentes manifestações populares trouxeram à pauta de discussão a efetivação de instrumentos que viabilizam a chamada soberania popular. Magno Malta tentando amenizar o clamor das ruas, quer a realização de uma mini-constituinte ou constituinte exclusiva. “Podemos dizer que o povo não acredita nas leis brandas e a impunidade é um fermento que faz crescer cada vez mais a violência em todos os sentidos. A população quer ser ouvida”, afirma Magno.

Pela vasta experiência de homem público, senador Magno Malta é firme nas palavras. “Congresso Nacional não vota leis mais duras por descaso e falta de sensibilidade com a dor alheia. Pesquisas realizadas por vários institutos, inclusive pelo próprio Senado Federal revelam que 90% da população e do parlamento querem a redução da maioridade penal, mas na hora de votar não escutam o anseio popular e votam com o governo que em nome da ideologia política não trata esta pauta com responsabilidade. A famosa base do governo fecha os olhos para as vítimas de criminosos cruéis”, lamentou Magno Malta.

Questionado sobre a falta de vontade política no parlamento para tramitação de leis mais duras, como redução da maioridade penal, Magno concordou plenamente e foi taxativo. “Neste recente processo eleitoral, vários senadores e deputados não foram reeleitos porque não votaram na redução da maioridade penal, não atenderam o anseio popular e perderam as eleições. Trocaram os benefícios duvidosos que recebem do Palácio do Planalto pela vontade popular e pagaram preço alto”

Quanto ao lobby de advogados e representantes dos Direitos Humanos, Magno também esclareceu. “Nenhum advogado teve a coragem de me procurar para este tipo de coisa, mas com certeza existe o lobby para manter leis frouxas, leis que permitem a impunidade e no caso dos Direitos Humanos falta defender também os humanos direitos, pois respeito esta entidade internacional, mas não concordo quando só quer proteger bandido e esquece os humanos que são direitos, pois direitos humanos não pode ser proteção, não concordo em proteger criminoso, pessoas com desvio de conduta, simplesmente em nome dos direitos humanos. É preciso ter sensibilidade para pensar também nas vítimas. Nenhum lobista teve a ousadia de chegar ao meu gabinete para sugerir algo que venha ferir meus princípios”.

Em poucas palavras, senador Malta revelou os verdadeiros motivos que impedem aprovação de leis mais duras para combater a criminalidade. “A maioria dos parlamentares ainda tem medo do Governo atual, a omissão é notória e infelizmente a total falta de compromisso com o eleitor”, encerrou lamentando a crescente violência prometendo lutar pela prisão perpétua no Brasil para crimes qualificados como hediondos.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Cuidado Brasil - Congresso aprovo uma Lei que permite Forças Armadas de países estrangeiros entrem com soldados armados no Brasil




Para desestabilizar e conquistar um país, basta estudá-lo juntamente com ele como se fossem irmãos, saber suas forças e fraquezas, te acesso total de armas e logo dominá-lo, objetivo? Estão de olho na Amazônia e nos Minérios do Brasil, CUIDADO BRASIL. (Por Paulo Roberto)

Parece piada, mas não é. O Congresso aprovou uma lei que permite que forças armadas de países estrangeiros entrem com soldados, armamentos e equipamentos e realizem "manobras" dentro no Brasil.

Segue o texto retirado do portal da Empresa Brasil de Comunicação (órgão oficial de notícias do governo):

A Câmara dos Deputados aprovou hoje (23) Projeto de Lei Complementar 276/02, que autoriza o ministro da Defesa e os chefes das Forças Armadas a autorizar o trânsito e a permanência temporária de força estrangeiras no país. De autoria do Executivo, o projeto altera os casos previstos na legislação em que a competência para determinar o ingresso de forças estrangeiras é privativa da Presidência da República, independentemente de autorização do Congresso Nacional.

Pelo projeto aprovado, o ministro da Defesa poderá autorizar o ingresso de forças armadas estrangeiras nos casos de missões de busca e salvamento; missões humanitárias; programas de treinamento ou aperfeiçoamento; transporte de pessoal, carga ou de apoio logístico. O texto também autoriza o ministro da Defesa a permitir a entrada de forças em situações de "visita oficial ou não oficial programadas pelos órgãos governamentais, inclusive as de finalidade científica e tecnológica e atendimento técnico, nas situações de abastecimento, reparo ou manutenção".

De acordo com o autor do substitutivo aprovado, deputado Ney Lopes (PMDB-RN), o objetivo da medida é diminuir a burocracia envolvendo a autorização para a entrada de forças estrangeiras no país, uma vez que é frequente a passagem de aviões e navios militares procedentes de países vizinhos pelo espaço territorial brasileiro. "São cerca de 800 pedidos por ano, de liberações de sobrevoo ou de pouso", além de mais de 50 de atracamento de navios de guerra estrangeiros".

Em sua justificativa, o deputado argumentou ainda que tais situações se configuram em situações de rotina e que o "Poder Executivo apresentou o projeto em exame, a fim de desburocratizar o andamento de tais processos autorizativos e, sobretudo, evitar que a mais alta autoridade do país seja sobrecarregada desnecessariamente".
Fonte: EBC e Câmara Federal.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

NOVO EMPREENDIMENTO PRONTO PARA ENTREGA, A PARTIR DO MÊS DE MAIO 2015 NA CIDADE DO VALPARAIZO - GO

ASSOCIAÇÃO DE PRAÇAS DAS FORÇAS ARMADAS - APRAFA

NOVO EMPREENDIMENTO PRONTO PARA ENTREGA, A PARTIR DO MÊS DE MAIO 2015 NA CIDADE DO VALPARAIZO - GO, PARA ASSOCIADO DA APRAFA E DEMAIS INTERESSADOS COM PARCERIA DA CAIXA ECONÔMICA E BANCO DO BRASIL, 100% FINANCIADO, PARA FAMÍLIA COM A RENDA ENTRE R$ 1.640,00 A R$ 2.000,00. TEL: 61 3965 2394, Cel: 61 8206 7274, 61 8141 2077 - EMAIL: aprafadf@gmail.com








APRAFA-DF




quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Propostas de reforma política começam a ser votadas em março

Paola Lima 
O presidente Renan Calheiros anunciou em Plenário nesta terça-feira (10) que marcou para a primeira semana de março a votação de um pacote de propostas sobre reforma política. Pelo menos dez projetos estão prontos para entrar na Ordem do Dia e algumas das votações ocorrerão simultaneamente com a Câmara dos Deputados.


— Ou nós reformamos a política ou todos seremos literalmente reformados — afirmou o presidente.
Renan lembrou que o Senado já deu um passo em direção à reforma ao aprovar propostas como a que reduziu o número de suplentes de senador, vedando postulação de parentes; a que diminuiu pela metade a exigência de assinaturas para leis de iniciativa popular; a que ampliou o voto aberto; e a que agravou a pena para crimes de corrupção.

Na lista de projetos prontos para votação em Plenário estão seis propostas de emenda à Constituição e quatro projetos de lei do Senado, sendo um complementar, alterando regras eleitorais relacionadas a financiamentos de campanha, obrigatoriedade do voto, participação política das mulheres e coligações eleitorais.

Tramitação

Duas das PECs já foram discutidas e podem ser votadas em primeiro turno. A PEC 40/2011, do ex-senador José Sarney, permite as coligações partidárias somente em eleições majoritárias (presidente, governador, senador e prefeito), vedando a associação de partidos para as disputas de deputados federais e estaduais e vereadores. A PEC 38/2011, também apresentada por Sarney, aumenta para cinco anos o mandato do Executivo e muda as datas de posse nos cargos.

As outras quatro PECs ainda precisam ser discutidas em cinco sessões antes da votação em primeiro turno. São elas as PECs 73/2011 e 48/2012, que exigem desincompatibilização do presidente, governador e prefeito que queiram se reeleger; a 55/2012, que institui o voto facultativo nas eleições, e a 58/2013, que estabelece novos critérios para criação de partidos políticos.

Entre os projetos de lei prontos para exame estão o PLS 60/2012, que restringe as doações para campanhas; o PLS 601/2011, que exige a divulgação das receitas e despesas das campanhas eleitorais; o PLS 268/2011, que trata sobre financiamento público de campanha, e o PLS 295/2011 Complementar, que aumenta o percentual de vagas para mulheres nas eleições proporcionais.

— Precisamos fazer uma reforma orgânica, que mereça este nome. Nosso sistema proporcional é anacrônico, não reflete a vontade popular e ajuda a fragmentação partidária, gerando instabilidade – criticou Renan, classificando como “deformação”, por exemplo, o sistema eleitoral que permite a um candidato com menos de mil votos conquistar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Renan também destacou o financiamento de campanha como ponto importante a ser discutido pelos senadores. Em sua avaliação, o ideal seria um modelo que limite o valor da doação a um teto, num percentual em torno de 5% a 8% do valor total de cada campanha.

— Financiamento exclusivamente público, ainda que meritório, é impraticável. Na última eleição municipal, foram 541 mil candidatos de mais de 30 partidos. Essa quantidade inviabiliza qualquer iniciativa neste sentido — argumentou.

A reforma política será um dos temas das sessões temáticas semanais que serão realizadas em março. A intenção é reunir parlamentares e especialistas para discutir assuntos que exigem atenção urgente.


Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

EXÉRCITO CHINÊS irá “treinar” no Brasil! Rússia e Cuba também virão realizar exercícios militares


China quer treinar seu exército na Amazônia, Rússia e Cuba também irão fazer exercícios militares no Brasil.

O Brasil vai realizar de exercícios militares nesse ano de 2015 com a Rússia e Cuba. Não bastasse isso, agora sai uma nota publicada no jornal manauara A Crítica, sob o pedido da ditadura chinesa participar do Centro de Instrução de Guerra na Selva.

Segue a nota do jornal A Crítica:

Autoridades militares do País receberam com estranhamento informação de que a China pretende treinar tropas no Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs), em Manaus. A desconfiança não está no interesse pela unidade, que já recebe militares de outras nações. O senão está no contato que a China usou com o ministro da Defesa, Jaques Wagner, o general Li Jinzhang, militar recém-indicado a embaixador chinês no Brasil, fato raro nas relações entre os países.
Enquanto isso a Rússia está aperfeiçoando suas forças nucleares e a força aérea espacial do país. Os planos incluem colocar em serviço quatro regimentos de mísseis, dois novos submarinos nucleares (Vladimir Monomakh e Alexander Nevsky) e mais 50 novos mísseis balísticos intercontinentais. A primeira reunião de 2015, o ministro da defesa Serguei Shoigu definiu os planos para esse ano, incluindo manobras militares com Cuba, Coréia do Norte, Vietnã e Brasil. 



Fonte: O Veterano Fuzileiro Naval

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

Mais um Militar do Exército morto no Rio de Janeiro



Um corpo encontrado ao lado de outro, de um policial, encontrados na Avenida Brasil nesse sábado (31/01/2015), Rio de Janeiro, foi identificado como sendo do soldado paraquedista do Exército Ronald Nascimento da Silva, de 21 anos. Segundo a Divisão de Homicídios da polícia civil, uma tatuagem de paraquedista nas costas ajudou na identificação.

O militar era lotado na Primeira Brigada de Paraquedistas, sediada na Vila Militar.

A família do soldado diz que o militar não tinha nenhuma relação com o policial também assassinado. E ainda não foram divulgadas mais informações sobre a investigação.

Os militares das forças especiais do Exército sediadas no Rio  geralmente são jovens da periferia carioca e baixada fluminense. O árduo treinamento militar, habilidade no manuseio e manutenção de alguns tipos de armas e adestramento em técnicas específicas, aliados à “malandragem” carioca e o conhecimento da periferia, os torna homens cobiçados pelo narcotráfico. 

Esses militares, ainda jovens, por não possuírem dependentes, dificilmente encontram vagas em casas cedidas pelo Exército (PNR), e recebem uma remuneração mensal insuficiente para que residam em locais menos sujeitos à criminalidade. O que faz com que, mesmo ainda na juventude, época em que seria normal as saídas com amigos para baladas, praia etc., tenham de levar uma vida extremamente discreta por conta do possível assédio da criminalidade.

Fonte: http://sociedademilitar.com.br